Ministro da Defesa cria setor exclusivamente para segurança de grandes eventos

Setor de segurança privada também deve se mobilizar; entidade prevê aumento de demanda por locação de blindado

No último dia 14 de maio, o ministro da Defesa, Celso Amorim, instituiu uma nova área dentro do Ministério da Defesa para tratar exclusivamente da segurança pública durante os grandes eventos que acontecerão no Brasil, como a Copa das Confederações neste ano, a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e os Jogos Olímpicos em 2016. A Assessoria Especial para Grandes Eventos (AEGE) terá atuação até 31 de dezembro de 2016.

A nova área deverá facilitar a coordenação das ações do Ministério da Defesa com os demais órgãos participantes dos grandes eventos e orientar a integração das ações de defesa e de segurança pública. Também irá cooperar com a Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos do Ministério da Justiça.

A Aege terá assessor-chefe, assessor-adjunto, quatro gerências, grupo de apoio administrativo e o Escritório de Ligação no Rio de Janeiro. A força de trabalho da Aege será composta por civis e militares nomeados, além de pessoal do Ministério da Defesa e de militares das Forças Armadas, designados para atender às tarefas a serem desenvolvidas em cada um dos grandes eventos. A portaria normativa que cria o novo departamento no Ministério da Defesa já foi publicada no Diário Oficial da União.

Locação de blindados

Além da segurança pública, os grandes eventos que o país vai receber também mobilizarão o segmento de segurança privada para proporcionar proteção aos milhares de turistas que desembarcarão no Brasil. Um dos nichos desse setor é o de blindagem automotiva.

“Acreditamos que no período em que acontecem esses grandes eventos, haverá um aquecimento no setor da blindagem automotiva, principalmente no serviço de locação de blindado. Ainda não é possível mensurar, mas prevemos um aumento na demanda por esse tipo específico de serviço, garantindo maior sensação de segurança a quem assim sentir necessidade”, afirma Christian Conde, presidente da Associação Brasileira de Blindagem (Abrablin).

De olho nesse nicho, muitas empresas se preparam para oferecer o serviço de locação de blindados. Para isso, porém, precisam atender a uma série de exigências do Exército, sendo que as principais estão contidas no Regulamento para a Fiscalização de Produtos Controlados (R-105) e no Capítulo IV, da Portaria nº 13 – D Log, de 19 Ago 2002 .

“As locadoras que oferecem essa alternativa precisam ter o Certificado de Registro (CR) junto ao Exército. O carro blindado é um produto controlado pelo Ministério da Defesa e obedece a uma legislação específica. Qualquer tipo de transação com produtos desse segmento deve ser registrada e controlada”, diz Conde.

Além de contar com o CR, os locatários desses equipamentos de proteção devem ser previamente autorizados pela Secretaria de Segurança Pública de seu Estado. Para blindagens resistentes a fuzis é preciso, ainda, uma autorização específica, que só é dada se o usuário comprovar a necessidade.

Fonte: Estadão e Abrablin